Câmara busca medidas para solucionar problemas entre alunos na escola “Jorge Faleiros”

A Câmara de Vereadores tomou a iniciativa de convocar representantes da Escola Jorge Faleiros, da Ordem dos Advogados do Brasil de Patrocínio Paulista, do Conselho Tutelar, da Prefeitura Municipal e Polícia Militar para discutir a questão do mau comportamento de alunos da unidade estadual.

Brigas de estudantes na saída das aulas, consumo de bebida alcoólica no interior da escola e até uso de entorpecentes por alunos têm preocupado as autoridades. A direção da escola informou que a unidade conta com câmeras de segurança, mas nem sempre é possível perceber a presença de alunos com bebidas. Já as brigas ao final das aulas, a escola tenta colocar monitores na saída, mas não é o suficiente. Só nesta semana três brigas foram registradas e estão circulando nas redes sociais.

Foi solicitado durante a reunião que a Polícia Militar faça uma ronda nas proximidades da escola nos horários de entrada para evitar que pessoas maiores e desocupados entregue bebidas aos alunos e, na saída, para inibir as brigas. O tenente Edmar, da PM, disse que a polícia faz o possível, mas o município conta com apenas uma viatura para dar cobertura a toda cidade, inclusive a área rural.

Já os vereadores têm reivindicado da Prefeitura que instale na cidade a função delegada de policiais militares. Na prática, o município pagaria o policial para trabalhar em horário extra para ajudar na segurança do município. A Prefeitura disse que a função delegada ainda não foi definida, mas que já está em estudo a instalação de câmeras de monitoramento pela cidade, inclusive, próximo as escolas.

“A discussão foi aberta e as autoridades estão buscando uma forma de resolver o problema. Do jeito que está não pode ficar”, disse o vereador Marcos Roberto Fernandes que apresentou o problema à Câmara.

O presidente do Legislativo, Vagner Andrade, colocou a Câmara a disposição para ajudar na busca de uma solução para esse problema. “A escola é do Estado, mas a responsabilidade é de todos nós”, disse.